Home Política Presidente do BC diz que não quer ser reconduzido ao cargo

Presidente do BC diz que não quer ser reconduzido ao cargo

1841
0

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que não pretende permanecer no cargo após o fim do seu mandato, em 2024.

Na regra que estabelece a autonomia do BC, aprovada pelo Congresso em 2021, o presidente e diretoria do BC podem ser reconduzidos ao cargo, uma única vez, por igual período.

“Eu fui contra a recondução, tentei tirar do projeto. Acho que a recondução não é saudável, pois cria uma fragilidade no meio do mandato: um presidente do BC interessado em ser reconduzido no meio do mandato. A resposta é não [aceitaria ficar]. Se dependesse só de mim, não teria recondução na lei de autonomia”, disse Campos Neto durante palestra organizada pelo banco BTG.

Pelas regras, há um mandato de quatro anos para o presidente do BC e os demais diretores. Esse mandato não coincide com o da presidência da República. O presidente do Banco Central assume o cargo no primeiro dia do terceiro ano do mandato do chefe do Poder Executivo.
Inflação e juros

Na palestra, o presidente do BC afirmou que a inflação “parece estar atingindo o pico em vários lugares [do mundo], em alguns com uma desaceleração lenta”.

“A gente começou a ter um pequeno movimento de arrefecimento na inflação no mundo, mas em níveis bastante altos. Em alguns lugares, com núcleos próximos da máxima”, acrescentou.

Ele lembrou que a dinâmica da inflação no Brasil melhorou, neste ano, com a adoção de medidas por parte do governo e do Congresso Nacional de redução dos preços de combustíveis e de energia elétrica. Observou, porém, que essas mesmas medidas também transferiram parte das pressões inflacionárias para 2023.

Segundo o presidente do BC, a decisão de dar mais “ênfase” na inflação de 2024 durante a definição da taxa básica de juros, a Selic, tem por base um ambiente incerto por conta das mudanças na tributação de combustíveis e energia elétrica.

Ao focar mais no início de 2024 como “horizonte relevante” para a definição da taxa de juros, diz ele, o custo em termos de nível de atividade (por conta dos juros elevados) tende a ser menor.

O mercado entendeu que o BC pode ser menos agressivo na definição da taxa de juros com essa decisão. Atualmente, a taxa Selic, em 13,75% ao ano, já está no maior patamar em seis anos.

Para definir a taxa de juros, o Banco Central se baseia no sistema de metas de inflação. Quando a inflação está alta, o BC eleva a Selic. Quando as estimativas para a inflação estão em linha com as metas, o Banco Central reduz a Selic.

A decisão do BC sobre juros é tomada sempre olhando para frente, no período de seis a 18 meses. Juros altos, por sua vez, tendem a desacelerar a economia brasileira, impactando a geração de empregos e a renda.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here